17 de fevereiro de 2018

Analisando um milionário (1)



Alguns dos amigos que publicam aqui no blogger já alcançaram a mística cifra de um milhão de reais.

A grande maioria de nós, inclusive eu, também está buscando alcançar a famosa marca do milhão.

Estive, desculpe a curiosidade e a palavra que vou utilizar, "fuçando" alguns blogs por aqui e me ocorreu uma ideia para postar.

Entre vários, hoje a minha vítima escolhida é o digníssimo Guardião do Zé Mobral.

Percebi que o Guardião já tinha alcançado os desejados sete dígitos, então a minha curiosidade aguçou e fui atrás da história do querido amigo.

Lá pelos idos de 2013, para ser mais exato, num sábado, dia 4 de maio de 2013, começou a ser registrada a saga deste milionário com o post intitulado Abrindo a Carteira de Ações do Guardião.

A imagem abaixo é um pedaço da mensagem publicada por ele naquele dia.



No post Final de Junho 2013 - como ficou a carteira o Guardião nos mostra os valores iniciais dele no começo desta caminhada:

R$ 93.814,40

Sendo que R$ 52.565,50 ( 56% ) estavam investidos em ações, e R$ 41.248,90 ( 44% ) estavam investidos em FIIs.

Passaram-se os anos de 2014, 2015 e 2016.

O valor alcançado pelo Guardião no final de dezembro do ano de 2016 foi:

R$ 1.151.750,20

Que loucura! Parabéns Guardião do Zé Mobral!

3 anos e meio pra partir de pouco menos de 100 mil reais e chegar no almejado milhão.

Claro que não me contive e fui "fuçar" um pouco mais...

Vejam a tabela dos aportes e saldos de cada ano:



Então,

[ 2013 ]
Considerando que ele tenha aportado de uma só vez o valor inicial de R$ 93.814,40 no mês de junho de 2013 e somando-se o valor de R$ 47.181,17 que foi aportado durante o restante do ano de 2013, chegaremos ao valor final de R$ 140.995,57. Como o saldo em dezembro de 2013 era R$ 149.557,99, logo ele obteve além dos aportes um valor adicional de R$ 8.562,42 que foi obtido através do rendimento das suas aplicações.

[ 2014 ]
Partindo de um valor inicial de R$ 149.557,99 e fazendo aportes durante o ano de 2014 num total de R$ 130.505,83 ele chegaria num saldo de R$ 280.063,82. Como o saldo em dezembro de 2014 era de R$ 272.447,61 então suas aplicações estavam diminuindo o seu patrimônio em R$ 7.616,21.

[ 2015 ]
Partiu de um valor inicial de R$ 272.447,61 e aportou durante o ano de 2015 o total de R$ 237.775,30 que atingiria o valor de R$ 510.222,91. Porém o saldo final em dezembro de 2015 era R$ 644.326,18 ou seja, seus rendimentos durante o ano foram de R$ 134.103,27. Nada mal, hein?

[ 2016 ]
Começou o ano com R$ 644.326,18 e aportou R$ 267.158,44 que somados chegariam a R$ 911.484,62. Como o saldo no final de 2016 era de R$ 1.151.750,20 concluímos que suas aplicações lhe renderam um adicional de R$ 240.265,58. Muito bom!

Eu consigo perceber que o grande motivo do nosso amigo Guardião ter chegado no milhão tão rapidamente foi devido aos seus não pouco expressivos aportes ( 67% do valor total alcançado ).

Nos 3 anos e meio foram aportados significativos R$ 776.435,14 ( um aporte médio mensal de R$ 18.500,00 ) que em parte vieram dos rendimentos dos FIIs e em parte vieram dos juros e dividendos de suas aplicações, porém acredito que um valor bem maior foi dinheiro novo, obtido através do seu trabalho.

Guardião do Zé Mobral:
Obrigado por disponibilizar seus posts para nós! Espero não ter cometido nenhum 
erro significativo nos meus cálculos.

Amigos da Blogosfera:
Espero de alguma forma ter contribuído através da disponibilização deste conteúdo.

Abraço a todos!

13 de fevereiro de 2018

Primeiro Milhão e as barreiras mentais


Talvez não tenha acontecido com você, mas decidi compartilhar aqui algumas sensações que já vivi.

Quem nunca usou a fórmula abaixo?

Onde:
    • S: É o valor acumulado no período
    • T: É o valor de cada depósito periódico
    • i: É a taxa percentual aplicada ao capital para a apuração do juro
    • n: É o número de depósitos da aplicação

Era simples: se eu aportasse R$ 1.000,00 todo mês durante 240 meses, ou seja 20 anos, rendendo uma taxa de 1% ao mês, teria no final um valor de R$ 989.255,40.

Particularmente testei várias possibilidades:

- diminuindo ou aumentando o valor do aporte mensal
- diminuindo a rentabilidade mensal
- aumentando ou diminuindo o tempo total

Ainda tinha o problema da desvalorização do valor final devido à inflação futura.

Admiro quem consegue aportar valores constantes durante tanto tempo.

Não foi o meu caso.

Vivi numa constante procrastinação durante boa parte da minha vida.

Analisando o passado, percebi que a procrastinação era devido a uma barreira mental criada por mim.

Sempre que eu olhava para o meu salário eu concluía que o valor de um milhão era algo inatingível.

Pensava que nem em uma vida inteira eu atingiria aquela quantia.

Há alguns anos atrás tirei os olhos do milhão e passei a me focar em valores menores, ou seja, vencer uma pequena barreira de cada vez.


Minha prioridade se voltou para os aportes. Comecei a aportar o maior valor possível.

Com o passar do tempo, a primeira barreira dos mil reais foi vencida, depois a barreira dos cinco mil, dez mil, vinte mil, cinquenta, cem...

Passados alguns anos, o milhão já não me parece tão impossível quanto era no início.

Claro, que ainda falta um bom tempo pra atingir a meta, porém quanto mais barreiras são ultrapassadas, mais o milhão vai se tornando atingível.



Tá servido?

8 de fevereiro de 2018

Apelido e outras explicações

Pó pó pó!

Com a chegada do Galo 48 à Finansfera surgiu uma curiosidade.

O nosso amigo Uorrem Bife comentou no meu primeiro post:


Pra não me esquecer, um pequeno agradecimento ao primeiro comentarista:

Uorrem! Muito obrigado por comentar meu primeiro post!
Foram exatamente 6 horas e 12 minutos de espera pelo primeiro comentário.
Ufa!

Já me sinto acolhido!

Ah tá... o apelido...

Então lá vai!

O "48" é a minha idade.

Achei legal marcar meu início na Finansfera usando a minha idade. Não vai ter como esquecer mais. Sente aí eu no futuro: "Sim! Comecei a postar no blog quando eu tinha 48 anos! Há 50 anos atrás!"

Deus me ajude viver tanto! É só uma ilustração.

E o "galo"?

Então, por isso coloquei aquela imagem no início da postagem. Imagino que vocês já ouviram falar nos grupos de animais que existem no jogo do bicho na loteria federal.

Observe que no grupo do galo estão os valores 49, 50, 51 e 52.



O "50" é que me interessa aqui, pois tem a ver com a nota de cinquenta reais:


É bem engraçado. Algumas pessoas chamam 50 reais de galo. Olha só:

- Quanto custa essa camiseta?

- Faço por "um galo" pra você!

- Me dei bem! Ganhei "dois galos" só pra formatar o PC do Uorrem! ( desculpa aí 😉 )

Então foi daí que surgiu o Galo 48.

Falando em galo, atualmente no Brasil, o salário mínimo não dá nem um galo por dia trabalhado.

Como o objetivo da maioria dos colegas aqui na Finansfera é alcançar o primeiro milhão, logo vão precisar juntar 20 mil galos!

Conta rápida:

Um galo por dia = 50,00

Durante um ano = 50,00 x 365 = 18.250,00

Guardando um galo por dia, pra acumular um milhão, seriam necessários quase 55 anos!

Que loucura! Que insanidade!

Ainda bem que existem os tais de juros compostos.

7 de fevereiro de 2018

Chegada do Galo 48 à Finansfera

Pó pô pó? Pó pô!

Depois de acompanhar por algum tempo, de forma anônima, vários blogs, o Galo 48 finalmente decide fazer parte da Finansfera.

Sim, nestes 48 anos completados, algumas experiências financeiras já foram vividas pelo Galo 48.

O Galo 48 viu esses dias o ranking de blogs e sites de finanças do nosso querido amigo Uorrem Bife e decidiu contribuir um pouco neste mundo paralelo da Finansfera.

Porém, é devagar e sempre.

O pontapé inicial neste blog foi dado.

O Galo 48 tem algumas ideias pra escrever, mas tenham paciência, pois ele é meio devagar mesmo.